Marketing Digital: o que é e como fazer passo a passo

O Marketing Digital é o termo que define um conjunto de ações que as empresas podem executar a fim de promover a sua marca através dos canais online e, assim, aumentar as vendas dos seus produtos e serviços e dando visibilidade à sua marca.

Mas como fazer corretamente marketing digital? Quais são os desafios que uma marca deve enfrentar quando decide ocupar os espaços virtuais?

A popularização da internet impactou profundamente as nossas comunicações e, consequentemente, alguns setores da sociedade, como o comércio. A nível nacional, diz-nos a Anacom, em média 70 a cada 100 pessoas em Portugal usam a Internet Móvel. Um estudo da PSE revela que os Portugueses passam cerca de 2 horas por dia na Internet, sendo que a maior parte é dedicada aos classificados. Estes números dão-nos uma ideia do impacto da internet sobre as tarefas quotidianas, sobretudo relativamente às vendas. Ou seja, se o mundo tem-se adaptado às inovações, porquê a sua empresa não fará o mesmo?

Propomo-nos a responder essas questões e a simplificar o que parece complexo: o que é Marketing Digital, como fazer e quais as estratégias para 2020.

Ao compreender estes conceitos, perceberá a relevância da publicidade online para a sua marca ou negócio. Através de um conteúdo didático e detalhado, pode encontrar as peças que faltam para que o quebra-cabeças da sua empresa fique completo e para que as suas ações de marketing digital sejam eficazes.

O que é Marketing Digital?

Apesar de parecer uma prática recente, o marketing digital atualiza um conceito já antigo. O estudioso Philip Kotler afirma que o marketing é uma orientação que visa proporcionar a satisfação do cliente à medida que são satisfeitos os objetivos e responsabilidades de uma organização. A essência do marketing, portanto, mantém-se; o que mudam são as estratégias.

É por isso que algumas agências de publicidade online diferem-se na abordagem desse conceito, mas acabam por chegar à mesma definição. Quando falamos no marketing digital, referimo-nos a todos os recursos/canais online que a internet disponibiliza para que uma organização consiga ampliar os seus negócios, estabelecer a sua reputação e comunicar com os seus públicos.

Como afirma a pesquisadora Martha Gabriel, o marketing digital não existe, o que existe são as estratégias de marketing que se valem das plataformas digitais. E não duvide: há imensas! O guru Neil Patel afirma que existem quase 2 biliões de sites em todo o mundo – ou seja, 1 website para cada 4 pessoas. Isto muda a forma como as pessoas consomem informações, produtos e serviços. Portanto, as empresas beneficiam-se desse fluxo quando se lançam no mercado digital.

No entanto, começar um novo percurso sem antes ter uma estratégia de marketing digital pode ser arriscado, tanto a nível financeiro como reputacional, já que poderá acabar por não aproveitar todas as vantagens do marketing digital para a evolução do seu negócio.

Sabe quais são as principais vantagens de investir em publicidade online?

Quais são as vantagens do Marketing Digital?

Dado o contexto atual, em que milhares de milhões de pessoas já utilizam a internet no seu quotidiano, recorrer à publicidade online é um modo eficaz e mais barato de chegar até ao seu público-alvo. Existem infinitas plataformas e diversas estratégias que poderá criar para chegar até à sua audiência e transformá-la em clientes.

Mas se ainda tem receio de criar uma estratégia de marketing digital, ou mesmo de contratar uma empresa de marketing digital para o ajudar neste desafio, enumeramos as principais vantagens do marketing digital.

Análise de Dados

A análise de dados pode ser resumida na seguinte frase: transformar números em informações. Ou seja, utilizar todos os dados obtidos de forma estratégica para impulsionar o crescimento da sua empresa. No marketing digital esta prática é mais fácil de ser executada do que na publicidade offline.

Imagine: é possível saber quantos clientes chegaram até à sua empresa depois de terem visto o seu outdoor? Ou descobrir a variação na faixa etária dos clientes que observaram um anúncio no jornal? E como poderá saber as informações sobre o público que assistiu um anúncio na televisão? No caso destes canais publicitários, faltam dados que lhe permitam perceber profundamente quem é o seu público, qual foi o retorno que obteve sobre o investimento e quais os anúncios que tiveram melhor alcance.

No entanto, seguindo um plano de marketing digital é possível obter e analisar todos esses dados – e muito mais! Através da internet pode rastrear todo o comportamento dos seus potenciais clientes, o que lhe permite saber, por exemplo, quais são as suas preferências, os seus comportamentos e como realizam a sua jornada de compra.

Se tem um site, pode saber quantas pessoas visitaram-no num certo período, como essas pessoas interagem com o mesmo (através de um heat map), quantas realizaram a compra ou estão apenas a pesquisar.

Se investe nas plataformas de anúncios, por exemplo, poderá saber quantas pessoas visualizaram o anúncio, quantas carregaram no link, e muito mais. Sem falar no percurso inverso, ou seja, definir quem são as pessoas que quer alcançar e elaborar estratégias de marketing digital específicas para ter a certeza de que as poderá guiar na sua jornada de compra.

Mas atenção: por serem tantos os recursos, pode ser que se sinta perdido na altura de escolher que dados deverá analisar. É por isso que, no marketing digital, são definidos alguns indicadores de performance – conhecidos como KPIs (key performance indicators) -, que ajudam a perceber se uma estratégia de marketing digital está ou não está a funcionar.

Indicamos alguns exemplos: custo por clique (CPC), o retorno sobre investimento (ROI), o alcance e as interações de uma publicação ou anúncio, a taxa de conversão e muito mais. Uma vez que tem acesso a essas informações, poderá filtrar os resultados e reformular toda a sua estratégia ou poderá recorrer com o apoio de uma agência digital para as campanhas.

Gerar visibilidade de marca

A internet permite a projeção da marca através dos diversos canais que, afinal, estão todos interligados. Quando uma marca cria o próprio site e, através do mesmo, gera conteúdo de valor para os seus clientes, esclarecendo as suas dúvidas e apresentando soluções para os seus problemas, tem mais hipóteses de se tornar referência para o seu público, para os influenciadores digitais e até mesmo para a concorrência, que a tomará como exemplo.

Além disso, através de uma estratégia forte de conteúdo forte nas redes sociais, seja ela orgânica ou paga, pode interagir com os seus públicos, não só respondendo aos seus problemas, mas aproximando-se do mesmo, o que lhe permite gerar valor e fidelizá-lo. Sem falar que, através de estratégias de afiliados e de parcerias com influenciadores, pode aumentar o buzz positivo, o que a projeta ainda mais para os seus públicos de interesse e até para os grandes media.

Conquistar clientes

Ao lançar um novo produto ou serviço no mercado, a marca deve compreender que o mesmo deve servir de resposta aos problemas e dúvidas apresentados pelo seu público-alvo.

No entanto, uma marca que decida investir numa estratégia de marketing digital está um passo à frente das demais, uma vez que consegue impactar um público maior e de forma mais eficiente. Ao estruturar uma campanha (em Google Ads ou Facebook Ads, por exemplo), pode segmentar os seus públicos de interesse; esta é uma das grandes vantagens do marketing digital.

Não podemos esquecer também do e-mail marketing, que permite produzir conteúdos direcionados para as necessidades dos clientes e apresentar as características dos seus produtos de forma segmentada.

Os influenciadores são capazes de apresentar a sua marca para os seus seguidores nas redes sociais e, assim, influenciá-los no ato da compra, com códigos de desconto e outras promoções.

São muitas as estratégias de marketing digital que pode pôr em prática para conquistar novos públicos e a grande vantagem é que, através das KPIs, poderá mensurar a sua eficiência e modificá-los quando for conveniente para a sua empresa.

Melhor custo-benefício

Os preços dos anúncios nos canais de televisão, nas rádios ou em outros meios tradicionais frequentemente atingem valores muito mais altos do que a publicidade online. De facto, nas campanhas Google Ads do tipo pesquisa e display, por exemplo, as empresas pagam apenas alguns cêntimos por cada cliente que carrega no anúncio. Já nas campanhas do Facebook, as empresas podem promover publicações a partir de 1€ por dia.

Nos últimos anos, no entanto, tem-se observado um aumento nos valores das campanhas publicitárias. Isso deve-se à grande quantidade de empresas que se aperceberam da importância de uma estratégia de marketing digital e que, portanto, têm criado perfis nas redes, construído o seu próprio website e explorado a divulgação das newsletters. Pelo o facto de haver um aumento de empresas a anunciar, gera mais concorrência e pode aumentar os preços das campanhas. Ainda assim, um investimento em marketing digital, sobretudo nas campanhas Google Ads, é de longe mais seguro e rentável do que a publicidade offline por um conjunto de vantagens, como as já mencionadas.

Segmentação de públicos

Já percebeu que o seu feed das redes sociais é totalmente diferente do feed de um amigo ou familiar? Ou que os anúncios que aparecem para si são diferentes dos que aparecem para os seus pais ou filhos?

A própria plataforma personaliza o feed dos utilizadores a partir dos seus dados coletados e do seu comportamento dentro da rede. E isso não é só útil para a mesma, mas principalmente para as empresas que nela queiram anunciar. Ou seja: devido à recolha de dados pessoais dos utilizadores, a plataforma pode apresentar segmentação de públicos que queiram criar campanhas de publicidade online.

De facto, a questão da proteção de dados tem ganho cada vez mais evidência e regulamentação, uma vez que os utilizadores podem sentir-se desconfortáveis com a política de privacidade das plataformas. No entanto, no âmbito das campanhas, apenas dados gerais são apresentados aos anunciantes. Ou seja, as empresas têm apenas uma noção do público que irá atingir, e não de cada um dos utilizadores.

As segmentações ocorrem, portanto, segundo as características e os comportamentos dos públicos delimitados. Por exemplo, ao elaborar a sua campanha pode definir a faixa etária, o sexo, o status de relacionamento, a localização, os interesses e muito mais outros traços que diferenciam os seus públicos. Jamais poderá conhecê-los por nome, foto ou mesmo aceder ao seu perfil, a menos que interajam com as publicações.

A grande vantagem da segmentação na publicidade online é poder responder com maior exatidão às dúvidas e às necessidades de cada um dos seus públicos, o que aumenta a margem de segurança do investimento, pelo que tem mais hipóteses de conversão.

No caso do e-mail marketing é igual: com base na geração de leads que efetuou através das suas campanhas ou do seu site, poderá traçar perfis dos seus públicos e preparar newsletters personalizadas, aproximando a sua empresa do seu cliente.
É esta a grande vantagem do marketing digital: a personalização.

Como criar um plano de Marketing Digital

Antes de começar a investir nas campanhas de publicidade online, é preciso criar um plano de Marketing Digital, em que poderá definir cada ação a executar de forma a obter mais resultados com o seu investimento.

Não por acaso, muitas empresas que investem na criação de um blog, no envio de emails marketing, nas campanhas Google Adwords e de Facebook Ads terminam frustradas por verem que os seus resultados são inferiores ao que esperavam. Mas será que estas empresas tinham um objetivo concreto?

É necessário tomar nota dos objetivos do seu negócio antes de desenvolver um plano de marketing digital para o mesmo. Obviamente, a principal meta é sempre conquistar mais vendas. No entanto, deve pensar também nos objetivos secundários que lhe irão possibilitar aumentar as vendas.

A internet dispõe de cada vez mais recursos que lhe permitem, sobretudo, conhecer melhor o seu público e relacionar-se com o mesmo de maneira ágil e personalizada. Aprenda a tirar proveito disso para aumentar as vendas, fidelizar o seu público e estabelecer uma forte presença no seu mercado, destacando-se da concorrência.

Portanto, a primeira coisa que deverá fazer antes de começar o seu plano de Marketing Digital é um estudo do seu mercado. Quais são as empresas que considera seus concorrentes? Porquê? Quais são os pontos fortes a nível do produto ou serviço que as mesmas entregam? E a nível da presença no digital?

A partir da definição do seu mercado e da sua concorrência, olhe agora para o seu negócio: porque um cliente deve escolher o seu produto ou serviço? O que lhe diferencia dos demais? De que forma a sua oferta enquadra-se na realidade do seu mercado? Como pretende destacar a sua marca na publicidade online?

Pode parecer esgotante tomar nota de tantos detalhes, mas recomendamos vivamente que o faça. De todas as formas, pode sempre contar com o apoio de uma agência de marketing digital para o ajudar com este estudo de mercado e com a elaboração de uma análise SWOT para a sua marca.

Ciclo do Marketing Digital

As possibilidades de personalização e relacionamento com o cliente que a internet oferece, torna o ciclo do marketing digital mais longo do que o offline. Como dito anteriormente, através dos vários canais online pode rastrear todo o comportamento do seu público, o que lhe permite conhecer o seu comportamento e como realiza a sua jornada de compra.

Assim, uma vez que tomou nota das metas da sua empresa e realizou um estudo de mercado, pode finalmente elaborar um plano de Marketing Digital. Este é o momento para definir que ações irá implementar para alcançar os seus objetivos. Vai criar perfis nas redes sociais? Irá efetuar campanhas de publicidade online? Qual o seu investimento prioritário?

Se ainda está confuso sobre as etapas de implementação de cada uma das ações, ao visualizar o ciclo do marketing digital que exibimos abaixo tudo poderá ficar mais claro.

É muito simples: trata-se da adequação de um ciclo de vendas comum para a realidade do marketing digital. Tudo começa por atrair o seu público e termina com a otimização das ações que tomou em cada etapa para, assim, conquistar um público ainda maior e otimizar as vendas.

De seguida explicamos as ações que poderá implementar em cada uma destas fases do ciclo do marketing digital.

Atrair o público

O que pode fazer para chamar a atenção do seu público-alvo para o seu produto ou serviço? Como conseguir estabelecer um diálogo com o mesmo e conquistar a sua confiança? A resposta sempre foi a mesma: esteja onde o seu público está. Por exemplo: se a sua empresa fabrica produtos auditivos para idosos, de que adianta pagar por outdoors em locais por onde só passam adolescentes?

Agora pense a nível do marketing digital. Atualmente, as redes sociais são o principal canal para comunicar com o seu público, expondo-lhes o seu produto e o melhor: estabelecendo diálogo com o mesmo. Além disso, ao criar um website otimizado para SEO, pode aparecer nas páginas de resultados do Google, de acordo com as pesquisas que os utilizadores executarem. Sem falar nas campanhas de publicidade online que lhe permitirão segmentar o público para o qual pretende vender.

Em todos os casos, há uma regra que os especialistas de marketing digital mencionam com frequência: antes de pedir, ofereça. Apresente uma solução para os problemas do seu público, dê-lhes motivos para quererem comprar o seu produto ou serviço. Quando entrega-lhes valor é quando começa a torná-los seus clientes.

Converter o público em leads

As leads são uma prova do interesse de alguém sobre um produto ou serviço que a sua empresa vende. Sobretudo através dos formulários, que pode disponibilizar no seu website e nas campanhas de redes sociais, um cliente pode deixar dados pessoais como nome, e-mail e telefone de contacto. A geração de leads é extremamente valiosa para uma empresa que saiba comunicar com o cliente e entregar-lhe valor.

Com o contacto de e-mail, pode enviar newsletters e informar os clientes das principais novidades da empresa, dos novos produtos e serviços, ou mesmo dos conteúdos que tem criado e que respondem às dúvidas e aos problemas do seu público. Com o telefone de contacto, pode comunicar com o público através de SMS, mensagens por WhatsApp ou Telegram.

Ou seja, quando converte o seu público em lead, fazendo contacto com o mesmo numa base periódica, aumenta drasticamente a possibilidade de o convencer a efetuar a compra. No entanto, para evitar a duplicação de trabalho e o desperdício do seu investimento, certifique-se de que está a gerar leads nos meios certos.

Caso esteja a disponibilizar formulários através de campanhas nas redes sociais, faça uma segmentação cuidada do seu público. Por exemplo, em Portugal, há mais de 3 milhões de utilizadores do Linkedin, sendo que aproximadamente 77% do público já está no mercado de trabalho há mais de cinco anos. Através da segmentação em uma campanha de anúncios, pode alcançar públicos de forma apurada. De facto, segundo o próprio LinkedIn, a nível mundial 80% das leads B2B chegam pela sua plataforma.

Acompanhar a jornada de venda

Sobretudo no e-commerce, realizar um acompanhamento da jornada de compra do cliente é fundamental para não perder vendas. Assim pode compreender o que não funciona bem e precisa de ser otimizado e os pontos forte do seu website.

Desde o momento em que um cliente encontra o seu website até ao momento em que conclui uma venda, há um processo de decisão. Mapear a jornada de compra é muito útil para aferir a partir de que canal o cliente chegou, quanto tempo passou no seu website, quais foram a sua primeira e a última ações e muito mais.

Outra vantagem de acompanhar a jornada de compra do cliente é poder elaborar campanhas de retargeting e fazer contacto com o mesmo na tentativa de o ajudar a concluir a compra. Ou seja, assim pode aumentar de forma considerável as suas vendas enquanto personaliza o processo para cada cliente.

Analisar os dados obtidos

De certeza que, se mapeou a jornada de compra do seu cliente, conseguiu assim extrair muitas informações. Estas serão úteis para que se possa orientar para as próximas experiências de compra que vai oferecer aos utilizadores.

Pode pedir o apoio de uma agência Google Ads para definir alguns KPIs que lhe servirão para avaliar a funcionalidade dos recursos dos quais dispõe. O CPC das keywords estão muito acima do normal? O ROI é positivo o suficiente para que seja lucrativo seguir a anunciar numa certa plataforma?

Otimizar as ações

Imagine que tem um relatório repleto de KPIs que tenha dificuldade em interpretar. Peça o apoio da sua agência de publicidade online para conseguir compreendê-los e concluir quais ações deverá tomar para otimizar os seus processos.

Assim poderá perceber qual é a melhor forma de alimentar o ciclo do marketing digital da sua empresa e atrair novos públicos. A versão móvel do site demora a carregar? É hora de investir em melhorias. É uma tendência mundial que as compras ocorram sobretudo nos dispositivos móveis. Nos Estados Unidos, 60% do tempo que as pessoas passam na internet é através dos dispositivos móveis.

E este é apenas um exemplo, há sempre muitas ações para as quais deve olhar detalhadamente e aferir quais os pontos a melhorar. Esteja atento às conclusões que pode tirar a partir dos dados que obteve nas várias campanhas e otimize o seu ciclo do marketing digital.

Quais são as principais ferramentas de Marketing Digital?

Uma vez que foram definidos a estratégia e as ações que deverá realizar para movimentar o ciclo do marketing digital, chega a hora de escolher as ferramentas de marketing digital que deverá utilizar.

Como as possibilidades de atuação no online têm crescido juntamente com o interesse das empresas em realizar publicidade online, atualmente existem inúmeras ferramentas que funcionam tanto sob a ótica do utilizador, como sob a ótica de um produtor de conteúdo ou de uma agência.

Há sempre imensas novidades no mercado digital que lhe poderão facilitar o trabalho e poupar tempo ao executar as ações que precisa. Desde as ferramentas de marketing digital a nível do desenvolvimento de sites, até às de gestão de campanhas com influencers do Instagram, há muitas ferramentas que podem ajudar a otimizar a sua estratégia de publicidade online.

De seguida, listamos algumas das ferramentas mais utilizadas em cada uma das áreas do marketing digital e explicamos as suas vantagens.

Construção de sites

Atualmente, a ferramenta para desenvolvimento de sites mais utilizada no mercado é o WordPress, que permite criar websites com imensas funcionalidades. Esta ferramenta dispõe de plugins gratuitos e pagos, facilita o posicionamento SEO e dispõe de diversos templates que lhe permitirão criar um site diferenciado das outras empresas.

Também apropriado para o desenvolvimento de websites profissionais é o Joomla, que dispõe de um sistema mais avançado e seguro, apesar de dispor de um market share de 5%, enquanto o WordPress representa 60% do market share das aplicações de Content Management System (CMS).

Por outro lado, há algumas ferramentas para construção de sites que são intuitivas e permitem-lhe criar um site rapidamente, como o Wix e o Webnode. Para criação de e-commerces, os mais utilizados são o Prestashop (gratuito), o Shopify e o BigCommerce.

Ferramentas de SEO

O KWFinder e o Ubersuggest, do Neil Patel, permitem analisar o número de pesquisas mensais por uma certa keyword, o nível de competitividade de uma palavra e a sua facilidade em posicionar, tanto a nível pago como orgânico.

Já o Semrush é uma das ferramentas mais populares para analisar websites e blogs do ponto de vista de SEO, uma vez que permite encontrar oportunidades de link building, monitorizar a concorrência, emitir relatórios e inclui funcionalidades relativas a outras áreas do marketing digital.

O Google Analytics e algumas funcionalidades do Moz são gratuitos e permitem ver as métricas de um website, tanto a nível da autoridade do domínio, como das páginas. O primeiro, no entanto, permite saber dados mais específicos como o volume de visitas, o tempo médio gasto pelos utilizadores nas páginas, o canal de origem etc.

Otimização de conversão

O Google dispõe de algumas ferramentas gratuitas que podem contribuir para a otimização da conversão do seu website. Enquanto o Google Analytics permite monitorizar a taxa de conversão, o Google Optimize possibilita efetuar testes A/B que lhe ajudarão a descobrir a versão do seu website que mais converte.

Algumas ferramentas de mapas de calor permitem descobrir as secções que despertam mais a atenção dos utilizadores, baseando-se no percurso dos seus ratos sobre o conteúdo do site. As ferramentas deste tipo mais conhecidas são o Clicktale e o Hotjar.

Outra ferramenta de marketing digital que permite otimizar a CRO é o Usertesting que prepara um conjunto de perguntas sobre o seu website, o seu produto ou serviço para os testes de audiência.

Ferramentas de e-mail marketing

O Mailchimp é a ferramenta de eleição da maioria das empresas que enviam newsletters para grandes listas de contacto ou que as queiram segmentar. Também permite realizar testes A/B para e-mail marketing, dispondo de mais de 100 templates e de bons relatórios de desempenho.

Outra ferramenta do tipo e totalmente nacional é o E-goi, que oferece um plano gratuito para até 5 mil contactos e permite criar além de newsletters, SMS para e-commerce, Web Push e muito mais.

Ferramentas de Design

O design é uma disciplina que tem de estar presente nos diversos estágios da sua estratégia de marketing digital. Há, portanto, muitas ferramentas que ajudam tanto a criar conteúdo para os websites como para as redes sociais, de maneira rápida e sem grandes dificuldades.

O Infogr.am e o Visme permitem criar infográficos, mapas, reports e muito mais com conteúdo interativos e que pode mensurar a audiência. O Canva também permite criar diversos materiais, como CVs, apresentações, cartão de visita e outros formatos de conteúdo gratuitamente.

Software de edição de vídeo

O vídeo é um dos formatos de conteúdo mais consumidos na internet, pelo que investir na produção de vídeos de qualidade é a chave para otimizar o seu plano de marketing digital.

As ferramentas profissionais mais populares para a edição de vídeos são sobretudo o Adobe Premiere e o Final Cut. São ferramentas pagas e que requerem um nível de conhecimento aprofundado para as manusear, mas que, por outro lado, oferecem muitas mais funcionalidades do que as ferramentas gratuitas.

Entre os softwares de edição de vídeo, alguns disponibilizam versões gratuitas e pagas e que recomendamos pela quantidade de efeitos e a interface intuitiva, que são sobretudo o Hitfilm Express e o Shotcut.

Software de edição de imagens

Há duas ferramentas da Adobe e que são de uso extremamente comum no quotidiano de uma agência de marketing digital. Trata-se do Adobe Photoshop e do Adobe Illustrator que, apesar de terem muitas características em comum, têm utilidades diferenciadas, pelo que vale a pena contar sempre com ambas.

O Adobe Photoshop funciona melhor a nível do tratamento, da edição e da criação de imagens em bitmap, ou seja, em estabelecer sequências de pixels para formar uma imagem. Já o Adobe Illustrator funciona através da criação vetorial, criando desenhos por curvas segundo equações matemáticas. Ou seja, não importa o quanto tenha de ampliar uma imagem no Adobe Illustrator, ela não perderá qualidade.

Ferramentas de monitorização da concorrência

As estratégias de marketing digital têm de ser atualizadas constantemente, acompanhando a evolução do mercado. Para perceber o que tem sido feito por outras marcas que comercializam o mesmo produto ou serviço que a sua, é indispensável monitorizar os concorrentes.

No marketing digital há um termo que descreve esta prática: benchmarking. Este conceito vem da palavra “benchmark”, que significa referência ou modelo. Ou seja, a prática do benchmarking consiste numa análise das ações das empresas concorrentes. Assim pode descobrir os seus pontos fortes e fracos e compreender
qual o lugar da sua marca no mercado.

Neste sentido é importante definir antes os concorrentes que irá analisar, definir os KPIs necessários e comparar as informações, de forma a tirar as conclusões cabíveis. Há algumas ferramentas de monitorização da concorrência que não pode deixar de utilizar para se destacar com uma publicidade online mais eficaz.

Além dos já mencionados KWFinder e do Semrush, também podemos considerar o Adplexity, em que poderá descobrir os anúncios que estão a decorrer em diferentes mercados, percebendo os que têm mais cliques e recebem mais tráfego. Assim pode encontrar a sua maneira de se diferenciar dos concorrentes.

Já o Buzzsumo permite mapear alguns conteúdos com melhor performance em tempo real e com um filtro geolocalizador, o que lhe permite perceber as forças e fraquezas do conteúdo da concorrência e prever o que poderá viralizar. Seja nos websites ou dentro das redes sociais, esta ferramenta de marketing digital permite descobrir os formatos de conteúdo com melhor desempenho nos últimos cinco anos.

Ferramentas de redes sociais

A nível das redes sociais, há diversas ferramentas que lhe ajudam em todas as etapas do seu trabalho – desde escolher designs das publicações, até a agendá-las e preparar relatórios para monitorizar a sua performance.

O Sprout permite agendar posts para diversas redes como o Facebook, o Linkedin, o Instagram e o Twitter, com pacotes cujos preços variam em função do número de perfis de redes que pretende incluir. Também através da plataforma pode elaborar relatórios de desempenho, que são mais legíveis do que os emitidos pelas próprias redes sociais.

O Swonkie, uma plataforma portuguesa, tem funcionalidades similares, mas também permite realizar atividades adicionais, como programar stories do Instagram, fazer pesquisas de influencers, monitorizar os perfis das redes sociais dos seus concorrentes, elaborar artigos de blog otimizados para SEO e muito mais.

Ainda para pesquisas de influencers e elaboração de campanhas com diversos influencers, algumas plataformas internacionais já se destacam das demais. É o caso da Indahash, que já tem grande presença no mercado dos Estados Unidos. Sem falar nas ferramentas de marketing digital que permitem começar a seguir pessoas que formam parte do seu nicho de mercado e parar de seguir pessoas que não são significativas para a sua marca, como o Unfollow for Instagram.

É bom estar sempre atento às novidades para encontrar a melhor forma de atrair o seu público de interesse. Logo perceberá que muitas destas ferramentas de marketing digital não atuam em apenas uma das áreas, mas podem acompanhar várias das suas ações, ajudando-lhe a otimizar o seu trabalho.

Como pode perceber ao longo deste artigo, elaborar uma estratégia de marketing digital é imprescindível para as marcas que queiram não só aumentar as vendas, mas ganhar visibilidade.

Estratégias de Marketing Digital

Para elaborar uma estratégia de marketing digital à medida do seu negócio, a mesma deverá adequar-se aos objetivos e às necessidades da sua organização. Uma solução digital que funcione para uma marca não irá resultar de forma igual para outras marcas.

Quer aumentar as vendas ou melhorar a reputação? Quer estabelecer parcerias com outras empresas ou com influenciadores que tornarão o seu produto mais popular entre os clientes finais? Quer interagir com o seu cliente através das redes sociais ou apenas apresentar-lhe o seu produto?

Uma vez respondidas as perguntas anteriores, uma estratégia digital irá ajudá-lo a executar os quatro pontos seguintes:

  1. Definir em quais meios tem de estar
  2. Definir um plano de ação
  3. Estabelecer prazos
  4. Avaliar os resultados

Pode parecer simples, mas a implementaçã destas tarefas é o que difere uma empresa bem-sucedida das suas concorrentes no online. Por exemplo, muitas empresas que comercializam produtos para outras empresas (as chamadas B2B – Business to Business) possuem perfil no Instagram ou no Facebook. No entanto, se o que ela quer é fazer contacto com o meio empresarial, criar uma company page no LinkedIn provavelmente será a melhor ação.

Ao criarmos e implementarmos estratégias online, levamos em conta as especificidades de cada cliente para criar um plano de marketing digital personalizado. De forma cuidada, procuramos incluir os seguintes tópicos na sua estratégia de marketing digital:

  • Auditoria do atual ecossistema digital da marca,
  • Benchmark de concorrência,
  • Os seus objetivos e metas,
  • Definição de público-alvo,
  • Os seus concorrentes,
  • Elaboração do plano de marketing digital
  • Requisitos para cumprir a estratégia,
  • Prazo de implementação,
  • Definição das ações a implementar.

Ao compreendermos o atual ecossistema digital da marca e quais os objetivos a alcançar, podemos definir as ações a implementar, bem como estabelecer prazos para a execução de cada uma delas. Neste processo, identificamos os indicadores (KPIs) que servirão de base para executar a análise de dados e realizar um acompanhamento periódico dos resultados.

De modo geral, há algumas estratégias de marketing digital que funcionam bem para os mais diversos tipos de negócio e que são imprescindíveis para a sua projeção online, como explicamos a seguir:

Website

É comum vermos marcas preocupadas em criar perfis nas redes sociais antes mesmo de terem desenvolvido o seu próprio website. Sabe que riscos apresenta esta prática? Construir um perfil numa rede social e depositar lá todo o seu conteúdo é como construir uma casa num terreno que não lhe pertence. A qualquer momento o dono do terreno pode lá ir, destruir a sua casa, fazendo com que perca tudo o que tem.

É mais comum do que imagina: diariamente, as redes como o Facebook e o Instagram bloqueiam as contas de empresas ou de utilizadores que lhe pareçam suspeitas, que tenham recebido denúncias ou por motivos que podem nem sempre ficar claros para a comunidade. Portanto reforçamos a importância de desenvolver um website para a sua empresa.

Com a ajuda de ferramentas como o WordPress, pode ter um website de modo fácil, funcional e intuitivo para o seu cliente. A propósito, sabia que 30% dos sites disponíveis na web são elaborados a partir do WordPress? Essa plataforma é a mais utilizada em todo o mundo e a mais recomendada pelos gurus do Marketing Digital.

Seja qual for o seu site, deve sempre incluir imagens dos produtos, detalhes, artigos de blog, contactos. No website deverão existir formulários de inscrição para que os seus potenciais clientes preencham inserindo os seus dados, o que lhe permitirá gerar leads e obter contactos para envios de newsletters, notificações por mensagens de texto e muito mais. Deverá tamném incluir ferramentas analíticas como o Google Analytics, que permitem rastrear todo o comportamento dos utilizadores dentro do seu website.

Um dos prinicpais objetivos a alcançar com o website, é o posicionamento do mesmo no topo das Search Engine Pages (SERPs) dos motores de pesquisa, como por exemplo o Google.

Imagine: tem uma loja de doces, criou um website para a mesma e pretende que quando alguém pesquise por “loja de doces” no Google, o seu site seja um dos primeiros a aparecer. Para isso, ao redigir conteúdos, o copywriter tem de levar em conta as técnicas de Search Engine Optimization (SEO), que são as que orientam a qualidade do conteúdo para aumentar as possibilidades de estar bem posicionado. Uma agência de comunicação digital saberá orientar cada passo da sua estratégia de conteúdos.

Além de um conteúdo SEO friendly, outros fatores que somam para a qualidade do seu website é o design responsivo, ou seja, um site simples, intuitivo e de fácil navegação, independentemente do dispositivo através do qual esteja a acedê-lo. A expressão “menos é mais” resume o que queremos dizer. Um design responsivo integrado com SEO técnico irá conferir agilidade, diminuindo o tempo de velocidade de carregamento das páginas.

Sabia que 40% das pessoas abandonam um website que leva mais de 3 segundos para carregar? A rapidez do seu site interfere diretamente nas suas conversões, afinal time is money! Para que o seu site seja mais rápido e posicione melhor nas SERPs do Google, o tempo de resposta do servidor, bem como o tamanho das imagens e vídeos carregados, devem ser avaliados na altura da elaboração e das manutenções. De facto, o Google leva em conta a velocidade de carregamento dos sites no mobile para os ranquear nos resultados das pesquisas.

Publicidade no Google

Ao contrário dos resultados orgânicos (SEO) nos motores de pesquisa, as campanhas de publicidade no Google geralmente trazem resultados mais rápidos, alcançam um público mais específico e com um investimento abaixo do que é pedido pela maioria das plataformas de publicidade off line.

O valor de investimento em publicidade online tem aumentado, uma vez que o número de empresas que adotam estratégias de marketing digital aumentou consideravelmente nos últimos anos. A publicidade através das Search Engine Marketing (SEM) como por exemplo o Google Ads, gera vendas e visibilidade para a sua marca e de forma rápida.

No Google Ads é possível definir campanhas com base em objetivos pré-estabelecidos:

  • Vendas
  • Geração de Leads
  • Tráfego para o site
  • Consideração de produto
  • Promoção de aplicações

Anúncios Google Ads na rede de pesquisa

Já reparou que ao fazer pesquisas no Google, alguns resultados que aparecem nos primeiros lugares estão etiquetados como “Anúncio”? É porque as empresas que lá estão recorreram à plataforma do Google Ads, nomeadamente às campanhas na rede de pesquisa.

Através desse tipo de campanha, a marca pode aparecer nos primeiros resultados de uma página de pesquisas do Google. Naturalmente, será o utilizador a fazer a pesquisa pela keyword que vai de encontro à keyword que a marca utilizou ao elaborar a sua campanha. Assim, pode-se dizer que é o cliente interessado quem encontra a sua marca – e não o contrário, como é o caso das campanhas através das redes sociais.

No caso dos anúncios de pesquisa, deverá definir quais são as keywords que orientam toda a sua campanha de modo a que, cada vez que um potencial cliente pesquisar pelas mesmas, os anúncios da marca apareçam antes dos resultados orgânicos. Para escolher estas keywords, obviamente, a marca interessada deve analisar primeiro quais são as mais pesquisadas pelos utilizadores, através das ferramentas do próprio Google Ads e de outras ferramentas, como o Ubersuggest.

Anúncios Google Ads rede display

Também existem os anúncios da Rede de Display do Google Ads. Como já deve ter notado, muitos sites possuem áreas reservadas especialmente para os banners publicitários, tal como as revistas online, portais de notícias, blogs e muito mais.

A maioria desses sites formam parte da Google Display Network (GDN), uma rede de sites que reserva espaços para banners publicitários que alcançam cerca de 80% dos utilizadores da internet. Há também os anúncios da Rede de Display no YouTube, que aparecem ao início dos vídeos e durante alguns dos vídeos mais longos da plataforma.

O modelo de cobrança destes anúncios da Rede de Display, tal como os anúncios da rede de pesquisa do Google Ads, pode variar bastante. Pode ser cobrado um valor por cada mil impressões (CPM), ou seja, a empresa tem de pagar cada vez que o anúncio for exibido 1000 vezes. No caso dos anúncios divulgados no YouTube, a empresa pode pagar cada vez que um utilizador visualize um anúncio (CPV), independentemente se o carregou ou não no anúncio. Há ainda o CPA, custo por aquisição, em que a empresa paga caso o utilizador efetue uma ação programada, como comprar, preencher uma lead etc.

Em conclusão, são diversos os formatos de anúncios e os métodos de cobrança. Resta-nos uma curiosidade: já reparou que a maioria dos produtos ou serviços anunciados nos banners e vídeos são similares aos produtos ou serviços que pesquisou anteriormente? Isso não ocorre por acaso.

Remarketing e Retargeting

Imagine que está interessado em comprar um par de sapatos e pesquisa no Google pelo termo. Visita uma loja online de sapatos, mas sai do site sem ter feito nenhuma compra. De seguida, começa a observar que vários sites que visita apresentam banners publicitários com mais anúncios dessa loja online de sapatos. Estranho, não é?

Não para o Google Display Network, que foi capaz de mapear as suas pesquisas anteriores e, assim, apresentar resultados alinhados com os seus interesses. Este fenômeno é conhecido como retargeting: uma palavra inglesa que descreve a prática de impactar novamente uma audiência que já visitou o seu site.

Através da adição de cookies no browser dos utilizadores, uma empresa consegue rastrear os produtos ou serviços da sua preferência para, caso não tenha concluído a compra, voltar a apresentar-lhe anúncios dos seus produtos ou serviços nos banners dos sites aos quais aceder – inclusive no seu próprio website.

É uma forma de tentar recuperar a compra que tem resultados comprovados. De acordo com um estudo da CMO.com, as campanhas de retargeting têm um impacto considerável na capacidade de conversão, já que o público que recebe tais anúncios tem entre 50 e 60% mais chances de efetuar a compra do que o público que não o recebeu.

O remarketing funciona de forma parecida, mas nesse caso, são mostrados conteúdos personalizados através de e-mail marketing. Imagine: acaba de aceder a um site de compras de viagens, regista-se para conseguir ver as ofertas, mas por fim desiste da compra. De seguida, começa a receber e-mails do mesmo, em que constam algumas promoções relacionadas com a viagem que pesquisava. É também uma excelente forma de recuperar vendas de maneira mais discreta, uma vez que os anúncios vão para a caixa de email.

A eficiência das estratégias de retargeting comprova que a publicidade online deve apostar sobretudo na personalização, de forma a entregar conteúdo que vá ao encontro dos problemas do seu potencial cliente.

Afiliados

O marketing de afiliados é uma estratégia de marketing digital com a qual uma empresa consegue alcançar mais vendas através dos seus embaixadores de marca – aqui denominados “afiliados”, que divulgam serviços ou produtos através dos seus websites, blogs ou redes sociais em troca de uma porcentagem dos lucros.

Esta é uma nova tendência do marketing digital, porque amplia a rede de embaixadores da marca, gerando um buzz positivo e projetando-o no mercado mais naturalmente. Qualquer empresa que queira aderir a uma estratégia diferente para fidelizar clientes e destacar-se da concorrência pode recorrer ao marketing de afiliados, como já o fizeram o site Amazon e o Submarino no Brasil.

Já existem muitas plataformas que são capazes de realizar o “match” entre a empresa e o afiliado, pelo que se é produtor de conteúdos e possui uma boa e fiel audiência, esta será uma ótima oportunidade para gerar mais lucros.

Otimização de Conversão – CRO

Conversion Rate Otimization (CRO) é, como o nome indica, uma forma de melhorar a estrutura e o desempenho dos websites e do seu conteúdo, para consequentemente, obter uma melhoria na sua taxa de conversão.

Há muitos aspetos de um website que não facilitam a experiência de navegação do seu cliente e que, por fim, podem distraí-lo no processo de compra. Desenvolver o seu website seguindo as melhores técnicas de CRO pode ter um impacto bastante positivo, no sentido de atrair a atenção do cliente e apresentar-lhe mais eficazmente a sua proposta de valor. Com um site otimizado conseguirá um aumento da taxa de conversão sem por isso ter de obter mais visitas.

Um projeto de CRO implica investir na melhoria da velocidade de carregamento do seu website, na elaboração de formulários otimizados, na realização de testes A/B e muitas outras tarefas, sendo um trabalho exaustivo a realizar. Desta forma garante que o seu cliente terá a melhor experiência e, consequentemente, aumenta a possibilidade de gerar vendas ou inscrições no seu site.

Podcasts

O podcast é um formato de conteúdo online que surgiu já há cerca de 10 anos, mas que tem crescido a olhos vistos nos últimos anos. As empresas e os influenciadores têm encontrado neste meio uma forma de entregar informação de qualidade para o seu público de forma prática.

Os podcasts são como programas de rádio, mas que são disponibilizados através de plataformas como o próprio website ou mesmo os serviços de streaming, como o Spotify, o Google Podcasts, o iTunes e muitos outros. É uma forma interessante de gerar valor para o seu cliente, sem por isso ter de despender muito dinheiro.

Por exemplo, se a sua empresa já tem o hábito de gravar e disponibilizar programas em vídeo, pode simplesmente extrair o áudio e elaborar podcasts a partir do mesmo. Assim aumenta a sua audiência, abrangendo as pessoas que costumam ouvir os programas ao mesmo tempo que realizam outras tarefas do quotidiano.

Chatbots

Os chatbots são uns dos avanços de computação que fazem toda a diferença para as empresas que procuram proporcionar uma boa experiência ao utilizador, tanto nas redes sociais como no website.

São inteligências artificiais que funcionam como um assistente de vendas, respondendo às perguntas dos utilizadores de forma instantânea e eficiente, já que são capazes de personalizar as respostas de acordo com o leque de perguntas abrangidas pela sua programação.

Já alguma vez entrou num e-commerce em que, no canto direito, surgiu uma caixa de perguntas do tipo “Posso ajudar”? Quando abre alguma página do Facebook, recebe de imediato uma mensagem a dar as boas vindas? E já apareceu alguma lista de possíveis respostas nas quais pudesse carregar?

Essas automatizações servem tanto para conferir mais agilidade no atendimento da empresa, como para personalizar as respostas ao utilizador, proporcionando-lhe uma experiência mais completa. No entanto, isso não quer dizer que deva deixar tudo por conta dos chatbots: responder aos seus clientes com um toque humano e próximo fortalece o relacionamento e a interação, o que aumenta as hipóteses de conversão.

E-mail Marketing

O e-mail marketing é um conceito bastante simples: pode enviar e-mails para os clientes que deram permissão para poder receber novidades e promoções da sua marca, cujo objetivo é divulgá-la, seja para vender diretamente ou para gerar conteúdo relevante para o seu público. Relativamente às ações de marketing digital, os e-mails mais utilizados pelas empresas são os do tipo newsletter – ou seja, uma espécie de jornal eletrónico que informa o seu cliente das novidades da sua empresa: os descontos, os novos produtos, os conteúdos relevantes no blog etc.

E sabe que conteúdos deve incluir nestas newsletters? Basicamente as novidades da sua empresa e assuntos que gerem valor para o seu cliente. Outro recurso é preparar descontos especiais para os que seguem a sua newsletter, fidelizando os seus clientes.

O envio de newsletters poderá ser efetuado através de ferramentas de automatização, como o Mailchimp, uma das mais populares entre os profissionais de marketing digital.

SEO

O conteúdo do seu website é determinante para a correta indexação e posicionamento nos motores de pesquisa como o Google. Mas sabe quais critérios o Google utiliza para posicionar todos os conteúdos que apresenta nas páginas de resultados de pesquisa?

Estas páginas, também chamadas de search engine results pages (SERPs), apresentam os resultados das pesquisas segundo um conjunto de parâmetros estabelecidos por motores como o Google. A disciplina que estuda estes parâmetros é conhecida como SEO – Search Engine Optimization, ou no português, otimização para os motores de pesquisa

Assim, o SEO é composto por um conjunto de ações destinadas a otimizar o conteúdo de uma página ou de um website, de forma a subir posições nas SERPs. Estes procedimentos de otimização de conteúdo baseiam-se sobretudo na utilização de keywords frequentemente pesquisadas pelos utilizadores, para que o seu conteúdo seja mais facilmente rastreável pelo seu público de interesse.

Agora que já conhece a definição de SEO, sabe todas as vantagens que este conjunto de ações é capaz de propiciar para o seu negócio? Antes de mais, é importante deixar claro que criar conteúdo SEO friendly é a melhor maneira de ganhar visibilidade nos motores de pesquisa de forma gratuita. Não precisa de pagar nada para o Google ou para outros motores de pesquisa, o que importa é trabalhar sobre as keywords corretas e estruturar o seu texto segundo as hierarquias de títulos e subtítulos que são imprescindíveis para um bom posicionamento. Assim, pode utilizar o Google Ads como uma estratégia paga para reforçar o bom trabalho orgânico a nível de SEO.

Outra vantagem é que, ao produzir o conteúdo do seu website ou da sua página segundo os parâmetros de SEO, pode facilitar que o seu público de interesse encontre a sua marca – e não o contrário! Imagine: se tem uma loja de pneus e estrutura o conteúdo do seu website segundo as keywords “comprar pneus”, “pneus para carros” etc., todas as vezes que um potencial cliente pesquisar por estes termos, a sua marca estará à frente. Assim, também aumenta as hipóteses de que o tráfico que chegue ao seu site através dos motores de pesquisa seja mais qualificado, ou seja, esteja mais interessado pelo seu produto.

Há muitas ações a nível de SEO que pode executar para garantir que a sua página esteja à frente nos resultados dos motores de pesquisa. É, portanto, necessário pesquisar as melhores práticas e os erros mais comuns de SEO para descobrir as melhores estratégias a adotar para a sua empresa.

Redes Sociais

Estar presente nas redes sociais é uma estratégia de marketing de conteúdos que muitas marcas adotam para conseguir aumentar as vendas. No entanto, para estabelecer a sua presença numa rede social e alcançar maior visibilidade de marca, o ideal é perceber que a proposta não é somente vender, mas gerar valor para os seus clientes.

É imprescindível conhecer o seu público a ponto de conseguir traçar um perfil completo do mesmo que chamamos “persona”. A persona é uma compilação das características do seu cliente ideal: a faixa etária, o sexo, a localização, o comportamento, os objetivos etc. Pode parecer um pouco difícil traçar este perfil com exatidão, mas através de um estudo prévio e de uma estratégia de marketing digital, torna-se mais fácil identificar o caminho a seguir.

Por exemplo, se o cliente da sua empresa é o público geral, então o seu negócio enquadra-se no perfil Business to Client (B2C). Portanto, deverá estar presente nas redes sociais que lhe permitam dialogar com os mesmos, como o Facebook ou o Instagram. Através da criação de conteúdos que sejam facilmente compreensíveis por parte da sua audiência, pode interagir com a mesma e gerar um buzz positivo para a sua marca.

É necessário efetuar um estudo de mercado antes de criar um perfil em qualquer rede social. A sua empresa quer comunicar com o público geral ou apenas com outras empresas? O seu público é jovem ou maduro? Procuram por conteúdo didático ou para entretenimento? Se não souber exatamente com quem quer comunicar, ou mesmo que tom deverá adotar, a sua estratégia de redes sociais pode ser ineficaz. Defina bem o seu público antes de recorrer a uma agência de redes sociais.

Redes sociais mais usadas

A rede criada por Mark Zuckerberg em 2004 é a de eleição dos portugueses. No entanto, segundo os dados da Marktest, o Instagram quadruplicou o número de usuários desde 2013, o que quer dizer que 68% dos portugueses já estão lá.

Por outro lado, a adesão dos portugueses ao WhatsApp tem crescido e pode abrir novas possibilidades para esse mercado. No Brasil, por exemplo, podem-se fazer pagamentos através da aplicação.

O YouTube é um canal de partilha de vídeos que surgiu em 2005 e que hoje possui 1,8 bilhão de usuários ativos por mês. É um meio interessante tanto para empresas que querem criar conteúdos longos em vídeo, como para os vloggers, que criam os seus próprios canais para partilhar conteúdos autorais e patrocinados.

Também não podemos deixar de falar das redes que viralizaram, como foi o Snapchat e agora o TikTok, que é mundialmente usado sobretudo por adolescentes para a partilha de vídeos instantâneos.

Em suma, cada rede social possibilita novas estratégias de marketing digital devido aos recursos que oferece e ao modo de uso da maioria dos inscritos. Portanto, ao efetuar um plano de marketing digital, deve fazer uma análise completa antes de decidir em quais meios a sua empresa estará presente.

Campanhas Facebook Ads

Atualmente, investir numa estratégia de conteúdo para as redes sociais sem estar disposto a investir em campanhas de publicidade online é como ter ouro nas mãos e não saber fazer uso do mesmo. Se publica uma grande quantidade de conteúdos de forma orgânica, ainda há sempre a possibilidade de que ninguém o veja – e de certeza que não é isso o que a sua empresa pretende!

Uma agência de publicidade online de excelência certamente irá recomendar a elaboração de campanhas de publicidade nas redes, já que essa é a melhor estratégia para aumentar o alcance das publicações e, assim, chegar a um público maior. E o mais interessante dos anúncios no Facebook e no Instagram, os chamados Facebook Ads, é que pode sempre definir um target bastante específico para a sua campanha, de acordo com o que estiver depfinido no plano de marketing digital.

O pagamento das campanhas pelo Facebook é feito mediante a definição de um montante total sobre uma determinada campanha ou sobre todas as campanhas que esteja a publicar. Também pode efetuar o pagamento através de estratégias de licitação, em que o valor a pagar é relativo ao resultado que quer obter com a campanha.

Assim há duas vantagens principais que pode obter a partir dos anúncios no Facebook: pode alcançar um determinado número e tipo de pessoas, ou pode obter o maior número possível de resultados que pretende, conforme expresso pelo tipo de promoção/anúncio que escolhe.

Campanhas LinkedIn Ads

O Linkedin é a rede social de eleição dos profissionais que querem fortalecer o seu network e sobretudo encontrar emprego. É, portanto, o meio ideal para publicar anúncios do tipo Business to Business (B2B). Apesar de ainda não ser tão comum ver anúncios nessa plataforma, como é no Facebook, e de o investimento ser um pouco maior, há muitas vantagens nas campanhas do Linkedin.

Como há muitos parâmetros para segmentar o seu público, a taxa de conversão é muito maior do que nas outras plataformas, até porque é possível divulgar anúncios direcionados a conversões de fundos de funil, com testes gratuitos, conversas com consultores e muito mais. Dessa forma, diminui-se a jornada de compra gerando leads mais rapidamente.

As campanhas Linkedin Ads permitem diversos formatos de anúncio dentro da plataforma, como conteúdos promovidos, anúncios de texto e sponsored inmail que são mensagens promovidas. Portanto, há muitas maneiras de fortalecer o seu network e as suas vendas B2B através desta plataforma, seguindo um plano de marketing digital elaborado à medida da sua empresa.

 

Como pode perceber ao longo deste artigo, elaborar uma estratégia de marketing digital é imprescindível para as marcas que queiram não só aumentar as vendas, mas ganhar visibilidade.

Se procura uma agência que lhe possa ajudar com o marketing digital da sua empresa, conte connosco. Através da filosofia do make it simple, implementamos soluções práticas que fazem crescer o seu negócio.